top of page

Arte combina com clima?

Ciência e Arte através dos Simuladores Climáticos


Introdução

A mudança climática é uma questão global premente que exige uma abordagem multidisciplinar para comunicar seus desafios e implicações. Nesse contexto, a colaboração entre cientistas e artistas, que na verdade já existe há algum tempo, fortalece-se como uma tendência necessária que combina dados científicos complexos com a criatividade artística.


Neste artigo, exploramos como a colaboração entre esses dois campos, por meio do uso de simuladores climáticos, está moldando novas formas de compreensão e engajamento com a ciência climática.


A Convergência de Ciência e Arte

Simuladores climáticos são ferramentas computacionais complexas utilizadas para modelar e prever os padrões e comportamentos dos sistemas climáticos da Terra. Esses sistemas incluem a atmosfera, oceanos, gelo marinho e a interação entre eles.


Os simuladores climáticos aplicam princípios científicos e equações matemáticas para simular como fatores como a radiação solar, gases de efeito estufa, correntes oceânicas e outros elementos interagem e influenciam o clima em diferentes regiões do planeta.


Esses simuladores consideram uma ampla gama de variáveis, como temperatura, umidade, pressão atmosférica, circulação oceânica e outros indicadores-chave. Ao incorporar dados históricos e conhecimentos científicos, eles são capazes de projetar cenários climáticos futuros em diferentes níveis de emissões de gases de efeito estufa e outros fatores impactantes.


Simuladores climáticos desempenham um papel fundamental na compreensão das mudanças climáticas, permitindo que os cientistas testem teorias, projetem cenários e avaliem os impactos potenciais das ações humanas e das tendências climáticas. Além disso, esses simuladores têm sido uma ferramenta valiosa para a colaboração entre cientistas e artistas, permitindo que visualizações impactantes e educativas sejam criadas para comunicar os desafios complexos associados à mudança climática.


A união entre cientistas e artistas representa uma fusão poderosa de habilidades e conhecimentos. Nesse processo, os cientistas fornecem os dados e insights necessários, enquanto os artistas trazem sua capacidade única de traduzir esses dados em representações artísticas.


Alguns exemplos de colaboração

Um exemplo notável de colaboração é o projeto "Wind of Boston: Data Paintings" do artista Refik Anadol. Em parceria com cientistas do MIT, Anadol usou dados sobre os padrões de vento em Boston para criar uma série de pinturas digitais que capturam a complexa dinâmica do vento na cidade.


Outro exemplo é o projeto "Flight Patterns" do artista Aaron Koblin, que colaborou com cientistas do Google para visualizar os padrões de migração de aves. Através de uma instalação de telas interconectadas, o projeto revelou a intrincada teia de movimento das aves migratórias.



A união entre ciência e arte pelo clima está cada vez mais consolidada:

  1. "The Last Glaciers" (2023) de Olafur Eliasson: uma instalação de esculturas de gelo que representam os últimos glaciares do planeta, chamando a atenção para o derretimento das geleiras.

  2. "The Anthropocene" (2023) de Michael Pinsky: uma série de pinturas que ilustram os impactos da mudança climática no mundo natural, usando dados climáticos e imagens de satélite.

  3. "The Climate Clock" (2022) de Gan Golan: um relógio que contabiliza o tempo até que os níveis de dióxido de carbono na atmosfera atinjam 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais, destacando a urgência da ação climática.


Por que é importante?

Essa colaboração traz diversos benefícios:


  • Comunicação visual aprimorada: os artistas têm a capacidade de simplificar e tornar acessíveis dados complexos, transformando números em imagens poéticas e compreensíveis.

  • Feedback construtivo: os artistas podem oferecer perspectivas valiosas sobre como a visualização pode ser otimizada para transmitir conceitos científicos de maneira cativante.

  • Conscientização pública: a colaboração amplia o alcance da ciência climática, tornando-a mais envolvente e acessível, o que pode contribuir para aumentar a conscientização e a compreensão da mudança climática.


Conclusão

A colaboração entre cientistas e artistas nos simuladores climáticos representa uma evolução importante na comunicação da ciência climática. À medida que essa colaboração floresce, novas maneiras de compreender e abordar as complexidades das mudanças climáticas emergem.


Através dessa fusão entre criatividade e conhecimento científico, as obras resultantes não apenas enriquecem nossa percepção das questões climáticas, mas também nos inspiram a agir em direção a um futuro sustentável e consciente do clima.

A arte tem o potencial de ser uma ferramenta poderosa para aumentar a conscientização sobre a mudança climática, inspirar ações para mitigação e adaptação, e criar espaços de esperança e solidariedade no contexto da mudança climática.

Imagem de padrões de voos feita por Aaron Koblin
Flight Patterns - Aaron Koblin

Commenti


bottom of page